domingo, 27 de abril de 2014

Dia 7: 2010 - 4 Loas (Marku Ribas)


O Disco de Hoje vem de Minas, porque é bão dimais e já faz um tempão (quase 6 dias) que eu não coloco aqui um disco da terrinha. Apesar de você provavelmente não conhecer, o Marku Ribas tem uma longa trajetória, com seu primeiro disco por volta de 1973 e gravações com grandes nomes como Mick Jagger, Chico Buarque, Arnaldo Antunes, Tim Maia e muitos outros. Ele já apareceu aqui no Disco do Dia 4.

Me lembro de um show que fui dele em um comício do Lula, em 1989, nos saudosos tempos em que os músicos não eram contratados para shows em comícios, e sim tocavam por acreditar na causa (nos saudosos tempos que partidos tinham "causa"). Se eu não me engano, ele inclusive ficou lá em casa.

Para mim, 4 Loas, que é seu último álbum, é sua obra-prima. Como definir este disco? Samba rock? Jazz? Reggae? Na verdade acho que a melhor definição é black music. Negro, de corpo, alma e som, nunca se limitou ao enquadramento dos estilos musicais. Voz poderosa e marcante, ótimo compositor, com influências do rock, samba, ritmos africanos, soul, congado e um montão de outras coisas. Morreu em 2013 sem grande reconhecimento, quase anônimo fora do círculo musical de Minas Gerais.

O disco é excelente, do começo ao fim, vibrante, empolgante e dançante. "Altas Horas" é uma mistura de samba e bossa, muito prá cima, guitarras limpas e lindas, sopros, do bom e do melhor. "Bervely Help" é rock'n'roll todo quebrado. Um dos pontos altos do disco é "O Mar Não Tem Cabelo", com um baixo marcante, bateria, sopros, guitarras integradas em ritmo que vem da alma com uma letra muito legal:"eu sei que é duro amar alguém que não ama você, pior ainda é não ter mais um amor prá se esquecer". Duvido que você escute sem se balançar.

Este eu não encontrei completo no youtube, mas dá uma degustada aí em uma música. Tenho certeza de que você leitor é espertinho o bastante para encontrar o disco completo para abaixar, quem sabe aqui?